sexta-feira, 9 de março de 2012

postheadericon Ficha Técnica Xadrezinho




  • Dicrossus filamentosus
  • Nome Popular: Xadrezinho cauda de Lira, Checkerboard Cichlid
  • Família: Cichlidae
  • Distribuição: América do Sul, originário da bacia amazônica, pode ser encontrado no Brasil pelo próprio rio Amazonas e no rio Negro; também na bacia do Orinoco desde o rio Irínida na Colômbia até o rio Maripa na Venezuela.
  • pH: 5.0 – 7.0 dureza: < 4 temperatura: 26º-30º C
  • Tamanho adulto: 6 cm (machos) 4 cm (fêmeas)
  • Sociabilidade: Relativamente pacífico, irá se defender contra companheiros mais agressivos. Mantenha em um comunitário com outros peixes igualmente pacíficos.
  • Manutenção: Fácil
  • Zona do aquário: Fundo
  • Aquário mínimo: 60cm x 30cm x 45cm (71 L) Necessitam de um aquário bem plantado, com pouca corrente e esconderijos abundantes. Gostam de água negra, se puder coloque turfa no filtro.
  • Alimentação: Onívoro. Sua comida preferida são larvas de insetos e vermes, em aquários você deve proporcionar comida viva ou congelada, como artêmia, bloodworms, larvas de moscas das frutas, embora aceitem perfeitamente comida seca.
  • Características: Dicrossus Filamentosa fez parte do gênero Crenicara, mas agora compartilha o gênero Dicrossus com mais três espécies, sendo delas a mais conhecida, o Xadrezinho Cauda de Espada, Dicrossus maculata. As duas espécies são similares, mas D. maculata não possui a cauda de lira do D. filamentosa. Alguns dizem, no entanto, que o D. maculata possui a coloração do corpo mais marcante que a do já estonteante D. filamentosa. Estes peixes não são impossíveis de encontrar, mas não estão facilmente disponíveis em lojas locais de peixes. São peixes sensíveis á mudanças bruscas de água.
  • Reprodução: Ovíparo. Os machos são ligeramente maiores, com a barbatana caudal em forma de lira, con os raios extremos muito mais alargados e mais coloridos que os demais. As fêmeas, menores, carecem dos reflexos vermelhos e azuis pelo corpo e barbatanas, e possuem a barbatana caudal arredondada. A maioria das fêmeas que já reproduziu, possui as barbatanas ventrais alaranjadas, mas as fêmeas do rio Orinoco continuam com as barbatanas transparentes. Peixes polígamos, põem os ovos no substrato, sobre uma pedra plana ou num tronco. É a fêmea que se encarrega de eleger o lugar adeqado para a postura e de limpá-lo completamente. Uma vez realizada a postura es la hembra la que se encarrega do cuidado dos ovos e da proteção das crías,podend se indispor com o macho, sendo que se você não possuir um aquário grande, pode retirá-lo sem nenhum problema. Os ovos (cerca de 120) são de cor amarelada e a eclosão acontece 3 dias após a postura. Os alevinos devem ser alimentados com náuplios de artêmia. Na época de reprodução eles perdem o padrão de manchas que confere a esta espécie o seu nome comum, esta série de preto e branco que lhes dá parecer um tabuleiro de xadrez, mostrando uma linha preta horizontal contínua, semelhante à linha típica dos Apistogramas, fazendo com que este peixe esbanje vivacidade e cores. Se quiser obter êxito na reprodução desta espécie, deve proporcionar uma água em perfeitas condições, pH entre 5 e 5.5, uma condutividade de 20 microsiemens (GH 0), temperatura elevada, cerca de 28º C, e compostos nitrogenados totalmente igual a zero.






Ficha por: João Victor Lucas
Foto(s): Sérgio K. Saruwataru, Matheus Camboim
Fonte: Fórum Aquário

0 comentários:

Google Translator

Perfil

Seguidores

Total de visualizações

Contador de Visitas

Luciano Cavalcante. Tecnologia do Blogger.